domingo, 15 de março de 2015

Sadomasoquismo e ética

Quando se defende que nada há de errado nas práticas sadomasoquistas desde que pressuponham consentimento e correspondam ao desejo da pessoa que vai estar no lugar de ‘vítima’, esquece-se que de facto essas práticas são eticamente condenáveis, pelo menos à luz de duas das mais consideradas teorias éticas, a utilitarista e a rawlsiana, pois estas duas teorias, embora divergentes em muitos aspetos, concordam na consideração de que “o bem é a satisfação de um desejo racional” e que qualquer comportamento eticamente valioso tem de perseguir o bem.

Se nós acordarmos em que o ser humano é um agente racional e é capaz de escolhas racionais, temos de aceitar que não é racional alguém desejar sofrer violência física ou violência simbólica, por exemplo, querer ser degradado e humilhado; portanto, as práticas sado masoquistas, independentemente do consentimento e do desejo, têm de ser avaliadas negativamente do ponto de vista ético.

Um outro aspeto tem a ver com o desejo e com o facto dele nem sempre ser racional porque pode acontecer que decorra de uma construção social, conseguida através de mecanismos subtis e com objetivos que nos escapam. Corremos sempre o risco de formarmos desejos que só aparentemente são nossos, se estivermos desatentos e não exercermos uma atitude crítica/racional. Ora, se temos desejos irracionais é nossa obrigação moral combatê-los em vez de tentar satisfazê-los sob a alegação de que são nossos, gostamos e não prejudicam ninguém, porque de facto prejudicam e nós somos a primeira vítima pois a nossa autoestima vai ser duramente atingida.

5 comentários:

  1. hum...vejamos...se eu pegar um cachorro e torturar,vou ser presa,atlçvez até linxada na ruia;ninguém vai ficar vindo com "filosofias" para racionalizar meu ato,ninguém vai dizer que era "instinto".Por que em relação á violência contra nós mulheres é diferente?

    Não está na hora de questionarmos a indiferença e resignação feminina,ou seja,o machismo das mulheres que contribuem para essa situação??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se você tatuar um cachorro vc vaicometer um crime, mas existem contextos onde você pode tatua um ser humano e não cometer um crime. Logo essa analogia não é válida.

      Eliminar
  2. "Ora, se temos desejos irracionais é nossa obrigação moral combatê-los em vez de tentar satisfazê-los sob a alegação de que são nossos, gostamos e não prejudicam ninguém", a alegação no sadomasoquismo é que não prejudica, mas eu também ponho em causa que uma construção sadomasoquista do sexo não é separada de outras problemáticas complicadíssimas que uma cultura, ou no caso, uma vida, impregna nos indivíduos a ponto de torná-los sadomasoquistas.. o universo simbólico desta pessoa não deve se reduzir a um sexo teatral, onde ela põe e tira o papel, com certeza, as características sado-maso estarão atuantes em outras esferas de vivência e linguagem, e daí o perigo de termos uma visão ingênua sobre as práticas sadomasoquistas como mera "expressão sexual contratuada e contida entre quatro paredes".

    ResponderEliminar
  3. Nossa, como vem gente aqui querendo culpabilizar as mulheres. Machismo de mulheres? Sério? Tb tem racismo de negro? Sério? Chega! Parece-me, sinceramente, coisa de opressor que não se assume esse tipo de discurso raso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. filho,me diga uma coisa...tem como acabar com uma opressao se o oprimido colabora com ela ao ponto de defende-la? tem como nós mulheres reclamarmos das mulheres peladas da mídia quando nós brandamos aos 4 ventos que é nosso direito andar pelada ,ser objeto sxeual? sinceramnete,isso pra mim é falta de senso e é muito comum na mentalidade de gente sociopata,que tem essa visão distorcida de mundo,onde uma minoria que colabora com seus status quo é "eterna vítima".
      Sinceramente,quem vem com esse papo aí é que é opressor,que não quer que o oprimido mude de mentalidade,pare de colaborar com o sistema e reaja.Dizer que não existe mulher machista e que tudo é "escolha" é típico de reaças,não de quem quer algo mais.

      Eliminar