segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A luta continua

Venho hoje saudar o aparecimento de um novo blog apostado na luta contra a pornografia, desejando-lhe sucesso. Aqui fica o endereço do HANNA BI/ FOGOS DE ARTÍFICIO para que o possam visitar e nele colaborar com os vossos comentários.

Não é de mais insistir que esta é uma luta muito difícil até porque o discurso pornográfico cooptou em seu favor os valores da democracia, declarando-se moderno, desinibido, anti-preconceito e libertador, e recorre a estratégias que basicamente apostam na «glamorização» e «erotização» de situações que, de outra maneira, dificilmente seriam aceitáveis pelas próprias mulheres.

Convencer as mulheres de que a perspectiva masculina sobre a sexualidade não é uma perspectiva, mas um dado universal, é o objectivo que a pornografia pretende atingir. E o facto é que à falta de outro tipo de educação sexual, ou à falta da possibilidade de as mulheres puderem conduzir as suas próprias experiências em matéria de sexo – como sabemos a promiscuidade sexual feminina continua a ser fortemente penalizada já que uma mulher que toma a liberdade de escolher e variar as suas experiências ainda hoje é considerada uma vádia, a pornografia (sexista) tem sido bem sucedida e hoje é consumida por muitas mulheres que são iniciadas pelos seus companheiros; estes, através da pornografia, têm uma oportunidade única de lhes mostrar o que esperam delas.

Não esqueçamos que as mulheres continuam a ser condicionadas para agradar aos homens; que os homens lhes devam agradar é, como diria Rousseau, esse inefável misógino travestido de cavalheiro, um aspecto secundário; por isso, também em sexo as mulheres acham muito mais importante que os homens sintam prazer com elas e até escondem muitas vezes e perdoam que os homens não lhes dêem prazer; não se importam de se apagar para que o macho brilhe e se sinta todo-poderoso. Esse poder, para ser completo, requer a conivência da mulher, esta tem de se mostrar reconhecida e satisfeita também. É que os homens não querem apenas escravas subservientes, querem escravas que adorem ser escravizadas. Por isso é que no registo pornográfico, as mulheres aparentam sempre experimentar enorme prazer com tudo o que fazem aos homens ou que eles lhes fazem. Nós até podemos imaginar o fingimento que há nessas expressões, mas, como é para «inglês ver», está tudo bem quando acaba bem.

A pornografia não liberta ninguém, nem os próprios homens e muito menos as mulheres, porque nunca há liberdade quando existem carcereiros e prisioneiros, os primeiros estão «presos» à necessidade de vigiar os segundos para que estes não escapem na primeira oportunidade. A pornografia só atinge o preconceito antiquíssimo que projecta negatividade no sexo, mas à conta desse benefício, acaba por reforçar preconceitos bem mais importantes para que a sociedade de supremacia masculina possa persistir inalterada em aspectos essenciais: os preconceitos que insistem na inferioridade e subalternidade das mulheres. Se a pornografia conseguir mostrar que no sexo é esse o papel das mulheres, fica menos difícil convencê-las que em outros aspectos ele também o é e que é igualmente desejável que assim seja. Homens controladores e mulheres submissas é o padrão de qualquer sociedade sexista e se a submissão puder ser aceite favoravelmente é a cereja no cimo do bolo. Mostrar a submissão como susceptível de provocar prazer dá uma ajuda muito «moderna», que não é de modo nenhum negligenciável. Mostrar que a mulher moderna não sente qualquer prurido em se entregar às práticas sexuais que a pornografia apresenta como normais e naturais só revela que ela é desinibida. Não queremos todas ser modernas! Não queremos todas ser desinibidas! Ora aí está a oportunidade para o mostrar, uma oportunidade fácil que não requer estudo, inteligência, valorização pessoal, apenas um físico apetecível e também a indispensável apetência para nos acomodarmos ao que os homens querem de nós.
P.S. Ao pesquisar no Google uma imagem para ilustrar o post de hoje a primeira a aparecer em Master and slave foi esta. Sintomático, não?!

3 comentários:

  1. Nossa,não esperava isso tudo ^_^" Muito obrigada mesmo.

    E pretendo fazer com que pelo menos,uma parte das mulheres brasieiras desperte para esta problemática gravíssima.O Brasil é um país pra la de misógeno de incentivo á vulgarização da mulher,então,as mulheres aceitam como "liberdade de corpo" se reduzirem,grosseiremente falando,em "bundas e peitos".Até feministas apóiam esta atitude "empoderadora".Pra piorar,o que não falta é homem "feminista" com discursos "belos e filosóficos" para manter este status quo.

    Estou publicando alguns estudos sobre a temática,fique á vontade para comentar.

    bjs e mais uma vez,muito obrigada pela força :).

    ResponderEliminar
  2. Tuxedosam, belo trabalho. Realmente, não é um assunto fácil ou agradável. Eu mesmo me pego em minhas falhas. Se não fossem pelos trabalhos que você e a Adília fazem, eu não teria percebido nem me corrigido.
    Se bem que eu ainda gosto da idéia do corpo como ferramenta da militância para a transformação da nossa sociedade.

    ResponderEliminar
  3. Beto,o ideal de militância de corpo para nós mulheres seria negar a sexualide que foi criada por nós,seja a imagem da "santa",seja a imagem da "puta".Não há liberdade quando imaginando que ser objeto sexual está revolucionando alguma coisa,só estamos mudando de lado.Nada de novo.

    A prostituição sempre foi muito glamourizada e as prostitutas silenciadas para manter estes ideiais de opressão como normais.Tanto que é comum muitas mulheres cairem nessa de "prostituta feliz e poderosa",mas nunca se imaginam na pele de uma.

    Nos países saxões é muito nítido estas formas de violências e as feministas se organizam para ajudar mulheres traficadas e prostitutas.Nos páises latinos não,ainda tem muita mistificação e indiferença por parte das mulheres.As latinas sempre procuram achar "lago de positivo" nestas práticas,de tão condicionadas que etsão de agradar aos homens.

    Tem muito o que ser feito,estou fazendo o que posso.Obrigada pela força.

    ResponderEliminar